O bom de ser caminhoneiro é saber que somos muito importantes para o Brasil, apesar de que em alguns casos, esse reconhecimento não é tão amplo. Mesmo assim, é importante não deixar de realizar nossas funções com comprometimento e seriedade. E, já que o assunto de hoje é sobre ser um bom profissional, qual o perfil do caminhoneiro no Brasil? E você sabia que existem três datas comemorativas para os irmãos de estrada no nosso calendário?

Neste artigo, a AVEP quer falar sobre você! Conheça os dados sobre os motoristas que transportam cargas por todo o nosso país.

Qual o perfil do caminhoneiro no Brasil?

Em 2019, a Confederação Nacional do Trânsito divulgou uma pesquisa com dados sobre os caminhoneiros brasileiros. E, sem dúvidas, você irá se reconhecer nas informações coletadas. Além disso, é muito legal estar por dentro da nossa profissão e estilo de vida, concorda?

Confira os tópicos com os principais dados:

Perfil do motorista

De acordo com o Perfil do Caminhoneiro, a idade média dos motoristas é de 44,8 anos. Enquanto isso, a média de tempo na profissão são cerca de 15 anos. 

No aspecto financeiro, a renda mensal líquida é, em média, 4.600 reais. Com esse rendimento, os 55,7% do total de caminhoneiros que possuíam outra profissão antes de pegar as estradas – representam 67,8% – afirmam que as condições financeiras melhoraram após se tornarem motoristas.

Rotina de trabalho

Quando o assunto é a rotina de trabalho, os números sugerem que é preciso atenção. Isso porque os motoristas trabalham em média 11,5 horas por dia, sendo quase seis dia por semana. Com esse dia a dia prolongado, no final do mês estima-se que a quilometragem média dos irmãos de estrada sejam de 8.561,3 km.

Saúde do caminhoneiro

Outros dados preocupantes são os que se referem aos cuidados que caminhoneiros têm com a própria saúde. Já falamos sobre isso e não deixaremos de afirmar: cuidar da própria saúde é essencial para continuar rodando pelo Brasil.

A pesquisa mostrou que:

  • 42,6% dos caminhoneiros buscam auxílio com profissionais da saúde para se prevenir;
  • já 19,6% só procuram quando aparecem sintomas de alguma doença e eles se agravam;
  • e ainda há 13,2% que não costumam procurar profissionais de saúde em situação alguma.

Para piorar, um número ainda mais alarmante é que 85,3% do total de caminhoneiros não possuem plano odontológico. Isso pode estar ligado ao fato de que muitos destes profissionais trabalham de forma autônoma, ou seja, sem ter um vínculo empregatício que obrigue às transportadoras em arcar com custos de planos, por exemplo.

Avaliação da profissão

Já falamos que muitos cidadãos reconhecem a relevância do caminhoneiro, principalmente em situações extremas como a Greve de 2018 ou durante a pandemia causada pelo novo coronavírus. Porém, é interessante saber como os próprios profissionais avaliam sua atividade.

Entre os pontos positivos:

  • 37,1% apontam a possibilidade de conhecer novos lugares;
  • 31,3% apontam a possibilidade de conhecer novas pessoas;
  • 27,5% indicam que o horário flexível é um bom aspecto.

Por outro lado, os pontos negativos:

  • 65,1% apontam que a profissão perigosa ou insegura;
  • além disso, 31,4% também consideram a profissão desgastante (31,4%);
  • por fim, 28,9% consideram o comprometimento do convívio familiar algo prejudicial.

Perigos e dificuldades na estrada

A respeito dos perigos e entraves presentes nas estradas, o levantamento da CNT apresenta as seguintes informações sob a perspectiva dos entrevistados:

  • 7% do total de caminhoneiros disseram que o caminhão, seu principal instrumento de trabalho, foi roubado pelo menos uma vez nos últimos 2 anos;
  • e por causa das situações perigosas, 49,5% do total de caminhoneiros recusaram alguma viagem devido aos riscos de roubo e assalto acontecerem no percurso.

Já sobre as maiores dificuldades de exercer a função de caminhoneiro estão a possibilidade assaltos e roubos, apontadas por 64,6% dos motoristas; para 35,9% o custo do combustível é uma interferência negativa e o custo do frete também é considerado um obstáculo por 27,4% dos profissionais.

Informações sobre o veículo

O maior companheiro de estrada de um motorista é o seu veículo, não é mesmo? Pois bem, de acordo com o perfil do caminhoneiro brasileiro, a idade média dos caminhões que trafegam em nossas vias é de 15,2 anos. E 47% dos trabalhadores autônomos adquiriram o veículo por meio de financiamento.

Dia do Caminhoneiro

No início do artigo, mencionamos que há três datas comemorativa para os caminhoneiros no calendário nacional. Por isso, vamos falar um pouco mais sobre elas.

A primeira data é 30 de junho, mas o dia está presente apenas no calendário do estado de São Paulo. Isso porque em 1986, o então governador Franco Montoro, assinou a lei 5.487, fazendo com que a data fosse criada a nível estadual.

Já o dia mais conhecido, e também mais comemorado, é 25 de julho, Dia de São Cristóvão. O santo é tido como o padroeiro de todos os motoristas, e na data sempre ocorrem várias carreatas em sua homenagem.

Por fim, o Dia Nacional do Caminhoneiro é 16 de setembro, com base na Lei 11.927. Apesar dos demais dias comemorativas, o governo federal instituiu tal celebração no ano de 2009.Gostou do artigo contando o perfil do caminhoneiro? Para ficar por dentro de outros temas sobre a vida do caminhoneiro, continue acessando o blog da AVEP. Acesse aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *