Olá, amigos e associados!

O assunto de hoje não é dos mais agradáveis, mas é essencial o seu debate. Vamos falar sobre tombamento de carretas.

Infelizmente, esse acidente é bastante comum no Brasil. E não é preciso nem procurar na internet – em uma pesquisa no Google, foram achados 184 mil resultados em menos de 1 segundo para a busca “carreta” “tombada”.

Para quem roda pelas rodovias não é raro encontrar com caminhoneiros com suas carretas e/ou caminhões tombados.

Preocupados com a sua segurança, nós da AVEP, vamos conversar com vocês e deixar um alerta: preze pela sua segurança, sempre.

Como ocorrem os tombamentos

É fácil perceber que, quase sempre, os tombamentos ocorrem em curvas, esteja o caminhoneiro entrando ou saindo dela.

Isso porque quando um veículo de carga entra em uma curva, parte do peso do lado interno (da carga e do próprio veículo) é transferido para o lado externo. Para isso há uma explicação física, que não há necessidade de explicarmos por agora.

Com essa transferência de peso, associada à velocidade com que o veículo entrou na curva, há uma tendência de que a parte interna do pneu perca contato com o solo.

Imagine que o caminhão rodava com o peso distribuído igual sobre os pneus e, ao entrar na curva, uma parte do peso é colocado do lado externo, O que acontece em uma balança quando um dos lados está mais pesado?

Por isso – e tantos outros motivos; é importante a redução da velocidade ao entrar em curvas e manter uma atenção redobrada em trechos sinuosos.

Efeito slosh e imprudência

Outra causa comum de tombamentos e, que não necessariamente ocorre em curvas, é fazer manobras bruscas, mesmo que pensadas de formas cautelosas.

Deixar o caminhão ou carreta ir para o acostamento e retornar de forma repentina é uma dessas manobras passíveis de tombamento.

Para quem dirige caminhão-tanque, há outro fator causador de acidentes. É o efeito “slosh”: quando o caminhão não está com o tanque cheio, completo, o balanço do líquido reduz a estabilidade do caminhão.

Claro que a culpa dos tombamentos não é exclusividade da física, há também atitudes de pura imprudência que podem causar gravíssimos acidentes.

Fazer mau uso do pino-rei (peça responsável pelo engate da carreta no cavalo) é uma dessas imprudências: soldá-lo na esperança de prolongar sua vida útil ou apenas virar o pino para usá-lo do outro lado não irá garantir mais tempo de uso, mas sim aumentará a chance de uma tragédia.

Os prejuízos com tombamentos vão desde os materiais e financeiros até mesmo danos físicos. A prudência é com certeza a melhor forma de se evitar acidentes e tragédias de qualquer proporção!

Fique tranquilo, aqui tem Avep!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *