Fim de ano chegou e, com ele, vem aquele monte de despesas relacionadas ao caminhão: IPVA, seguro obrigatório, proteção veicular, entre outros. Entretanto, há um investimento que, em muitos casos, é deixado de lado: a manutenção preventiva dos caminhões.

Tal como ocorre em carros de passeio ou qualquer outro veículo, os caminhões também precisam de manutenção preventiva para que, além de manter a segurança do caminhoneiro e de terceiros, garanta que o veículo rodará pelas estradas do país mantendo um bom ritmo de eficiência.

A importância da manutenção preventiva para o caminhão

O caminhão não é somente um instrumento de trabalho, mas também parte da vida dos caminhoneiros. Essa é uma relação tão profunda que muitos motoristas o consideram quase como um integrante da família. Para evitar a perda ou o desgaste desse veículo, a manutenção preventiva em caminhões é, portanto, fundamental.

O caminhoneiro que faz uma manutenção preventiva, impede que o caminhão sofra desgastes, o que diminui os prejuízos futuros, reduz os riscos de acidentes e aumenta a vida útil do veículo. 

Realizar a manutenção constante é sempre muito mais barato do que fazer correção dos danos já causados. Isso porque uma peça em mal estado e que passou do tempo de ser trocada pode prejudicar outros itens, deixando o reparo mais caro.

Além disso, rodar com peças desgastadas aumenta o consumo de combustível. Mas o pior mesmo é ficar sem o veículo para realizar serviços durante o tempo de reparo, não é mesmo?

Além disso, pela legislação brasileira, um motorista que for pego devido a alguma irregularidade ou por problemas na mecânica ou elétrica comete infração grave. Segundo o código de trânsito, o condutor recebe cinco pontos na carteira, é multado em R$ 195,23, e, dependendo da situação, pode ter o veículo apreendido.

Assim, ao realizar a conservação dos caminhões, os motoristas obedecem a lei e evitam pontos na carteira.

Como foi dito, ao fazer a manutenção preventiva dos caminhões, os motoristas evitam que as peças já desgastadas atrapalhem o funcionamento de outros itens. Isso diminui os riscos de acidentes nas estradas e de que os veículos passem muito tempo nas oficinas realizando consertos.

Deixar seu caminhão conservado, além de proporcionar maior vida útil para ele, é uma obrigação disposta em lei. Então, com as dicas que fornecemos não tem mais como encontrar desculpas para adiar a manutenção.

Dicas para manter caminhões em um bom estado

Agora que você já sabe a importância de fazer a manutenção preventiva em caminhões, vai conhecer algumas dicas para mantê-los em um bom estado. Veja só:

Evite excesso de carga

Ao fazer isso, você diminui o impacto e o desgaste de algumas peças e itens do seu caminhão, como molas e amortecedores, além de se manter na legalidade, já que rodar com veículos com peso acima do recomendado pode causar multa.

O excesso de carga nunca é uma boa ideia. Pode trazer inúmeros transtornos, como os já citados, e pode, inclusive, trazer problemas de segurança e instabilidade do veículo. A matemática é simples: o risco não compensa.

Portanto, busque sempre se manter dentro das especificidades recomendadas para o seu caminhão e registradas em documentação para evitar qualquer tipo de problema que possa interromper suas viagens!

Sistema de freios

A garantia do bom funcionamento do sistema de freios é indispensável durante o checkup do caminhão. O sistema é, sem dúvidas, decisivo para a segurança e bem estar do motorista e de terceiros durante as longas jornadas.

A manutenção no sistema de freios deve ser feita por eixo, e nunca em apenas uma das rodas, garantindo maior estabilidade e segurança.

Atenção ao óleo, fluidos e filtros

Todo veículo vem com recomendação de óleo pelos fabricantes e é aconselhável seguir a indicação, pois pode ser que seu caminhão necessite de determinado tipo de fluido que outra marca pode não oferecer. A troca deve ser feita conforme orientação da montadora do veículo e fabricante do óleo.

A conferência do nível do óleo do motor é um dos principais itens a serem observados. A função principal do óleo de motor é lubrificar as partes de atrito do motor e exercer função de resfriamento.

Os filtros de ar, de óleo e de combustível também apresentam limites que estão diretamente relacionados a sua eficiência, portanto, precisam ser verificados e frequentemente trocados para o bom funcionamento do caminhão.

Outra questão relacionada ao óleo e fluidos é que eles necessitam estar em um nível correto. Por isso, leia o manual do seu veículo para saber qual o limite certo para fazer a sua troca.

Verifique o funcionamento do sistema de transmissão

O sistema de transmissão, assim como o motor, requer lubrificação devido ao atrito e, por isso, também deve ser verificado durante a manutenção preventiva do caminhão.

Dificuldades e ruídos durante a mudança de marcha podem ser um sinal de problema, portanto, não adie a ida ao mecânico!

Sistema de Resfriamento

O sistema de refrigeração é constituído, basicamente, por uma bomba d’água, válvula termostática, sensor, reservatório, radiador e aditivo, que é adicionado à água para proteger as peças.

A manutenção preventiva do sistema de arrefecimento não está relacionada apenas à reposição de água e verificação da válvula, mas sim, de todos os itens, dado que cada um tem função essencial para o perfeito funcionamento do sistema.

Sistema elétrico e de sinalização

Durante a manutenção preventiva do caminhão, não deixe de verificar sistema elétrico. A oxidação e deterioração de baterias e cabos é um tanto quanto comum, portanto, não podem ser esquecidas!

Além disso, também fundamental para uma direção segura, é verificar o funcionamento das luzes de sinalização, como setas, faróis, luz de freio, etc.

Esteja atento à situação dos pneus

Antes de começar a rodar, avalie a situação dos pneus! Como esse é um item de enorme importância e, muitas vezes, é deixado em segundo plano por grande parte dos motoristas, resolvemos dar atenção especial à esse importante quesito da manutenção preventiva de caminhões.

Confira:

Como fazer manutenção de rodas e pneus do caminhão?

A manutenção e a conservação adequadas dos pneus para caminhão são vitais para a segurança nas estradas. Cuidar deles de forma correta evita gastos desnecessários em várias partes mecânicas do veículo. Além disso, resguardar e conservar essas peças essenciais de forma adequada garante a você e aos demais usuários de rodovias a segurança para rodar Brasil afora.

Descubra a seguir o que é importante observar na manutenção preventiva das rodas e pneus!

1. Sulcos e o limite de segurança nos pneus para caminhão

Uma boa observação dos pneus pode contar como grande medida preventiva. Isso mesmo: olhe bem para eles e preste atenção a seus sulcos. Os sulcos são cortes feitos na fábrica (qualquer outra fenda é perigo na certa!). É importante observar sua profundidade, pois ela indica o quão gastos estão os pneus.

A resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) nº 558/80 determina que os sulcos não podem ter menos de 1,6 mm. Se você não confia no seu olhar ou a medida está muito complicada de avaliar, use uma moeda de R$ 1: coloque-a no centro da banda do pneu e, se for possível ver sua parte dourada, está na hora de trocar os pneus.

Quando está com os sulcos gastos, o pneu é chamado de careca. Rodar com eles nesse estado coloca vidas em risco, pois o caminhão perde estabilidade e há mais chances de derrapagens e de diminuição da capacidade de frenagem. Em pistas molhadas, a situação piora: o veículo pode patinar e, nesse caso, o motorista tem pouca chance de conseguir estabilizá-lo.

Além disso, pneus com sulcos gastos podem estourar facilmente. Por isso, é importante observar bem a profundidade dessas fendas e, em caso de dúvidas, consultar as recomendações do fabricante.

Quem não cuida do estado do pneu também corre risco de ser multado. O artigo 230 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) considera infração conduzir veículos em mau estado de conservação, o que inclui os pneus. A infração é grave, soma cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e prevê multa de R$ 195,23. E esse valor pode aumentar se houver mais de um pneu muito desgastado.

2. Balanceamento e alinhamento

O caminhão está puxando para um lado? Há a sensação de trepidação no piso mesmo em vias bem conservadas? O volante vibra? Esses sinais indicam que o veículo necessita, com urgência, de alinhamento e balanceamento. Afinal, eles são bem-vindos em uma montanha-russa, não em um caminhão rodando na estrada.

Perceber que o veículo necessita de alinhamento é mais fácil: basta observar se ele puxa para um lado quando é conduzido em uma reta, por exemplo. O caminhão começa a puxar mais para a direita ou para a esquerda em geral após um impacto na suspensão ou o desgaste irregular de alguma peça. Mantê-lo alinhado é ter a certeza de rodar com um veículo estável e seguro.

3. Calibragem correta dos pneus

Trata-se de uma atitude simples, que não demanda muito tempo. É, na verdade, um investimento baixo que rende muito: calibrar os pneus pelo menos duas vezes na semana pode até tirar alguns minutos da sua viagem, mas você já pensou no que pode acontecer se a calibragem não for mantida em condições ideais?

Um pneu bem calibrado tem vida útil maior. Já um que não recebe os devidos cuidados de calibragem influencia o aumento do consumo de combustível, além de ter desgaste maior e a estabilidade comprometida.

É importante não calibrá-los de mais nem de menos: siga as instruções de calibragem e as especificações do fabricante. Além disso, a calibragem excessiva pode resultar no estouro do pneu. Sempre que calibrar o estepe, insira algumas libras a mais para compensar o esvaziamento natural. Assim, quando tiver de usá-lo numa emergência, ele não estará murcho.

Em resumo, quando a calibragem está baixa, há maior consumo de combustível, a direção fica pesada, é mais difícil fazer curvas e, durante a frenagem, é possível ouvir barulho de “cantar de pneu”, entre outros. Se ela estiver acima do indicado, por outro lado, há desgaste no centro de rodagem, mais chance de o pneu estourar e menor área de contato com o chão, o que afeta a estabilidade.

4. Rodízio de pneus

Uma dica valiosa, que pode ser encontrada no manual do fabricante, é fazer o rodízio entre os pneus do caminhão sempre que indicado. Essa troca busca diminuir a diferença no desgaste e deve acontecer a cada 10 mil Km. O rodízio melhora a eficiência e proporciona uma vida útil maior aos pneus, além de melhorar a estabilidade em curvas e freadas.

Dependendo do tipo de caminhão, existem orientações específicas para que o rodízio seja feito de forma eficiente e que equilibre o desgaste dos pneus. Em caminhões toco, o revezamento no eixo dianteiro deve ocorrer, inicialmente, com a troca de lado. Depois, os pneus devem ir para a traseira. Há, ainda, uma regra básica: comece pelos pneus de fora para depois lidar com os internos.

Executar essas técnicas pode ajudar o caminhoneiro a aumentar a vida útil dos pneus. Se a economia (de não precisar gastar com itens novos antes da data esperada) for colocada na calculadora, o planejamento financeiro vai ser mais positivo para o motorista ou para a empresa de frota.

5. Componentes interligados

É importante frisar que rodas e pneus não trabalham sozinhos no caminhão. Além dos cuidados com eles, é importante garantir que os outros elementos estejam em perfeito funcionamento. Componentes como eixo, rolamentos, freios, molas e amortecedores são afetados diretamente pela condição de uso dos pneus e das rodas.

6. Limpeza

A limpeza de pneus e rodas, embora pareça bobagem, é um cuidado relativamente simples cuja importância vai muito além da estética. Por estarem em contato direto com o asfalto, pneus e rodas acumulam muitos rejeitos e alguns deles podem encurtar a vida útil desse componente —e, eventualmente, ter o potencial de causar algum incidente.

Além do risco direto de que algum produto corte a borracha, a sujeira acumulada pode influenciar no balanceamento e no alinhamento do pneu. Com isso, ele pode passar a ter desgaste excessivo interna ou externamente. Por isso, manter as rodas e os pneus limpos é uma dica de conservação e segurança.

Evite, porém, utilizar produtos agressivos, como querosene e abrasivos. Um jato de água forte ajuda a tirar o barro e outras substâncias, sem a necessidade de produtos químicos. Fique atento, ainda, para retirar resíduos de graxa, óleo, pedaços de borracha, galhos, barro, restos de comida e materiais pontiagudos.

Seguir essas recomendações para os pneus do caminhão representa respeito às regras de trânsito. Além disso, ajuda a garantir segurança nas estradas e vantagens econômicas para não onerar o planejamento financeiro.

Não descuide da manutenção preventiva do caminhão: é sempre melhor – e mais barato! – prevenir que remediar os problemas. Sendo o caminhão seu melhor amigo de estrada e instrumento de trabalho, nada mais justo que deixá-lo em seu melhor estado de funcionamento, não é mesmo?

O que achou das dicas? Conte pra AVEP nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *